segunda-feira, setembro 29

Uma no cravo outra na... sacadura


Sou feminista? Não, mas defendo a igualdade entre mulheres e homens, mas não sou feminista típica, mas as mulheres são tratadas de uma forma desigual, mas eu não sou feminista típica, mas acho que devem ter as mesmas oportunidades, mas não sou feminista típica, mas devemos muito às feministas (certamente atípicas), mas não sou feminista típica...

"confusões que hoje se atribui ao termo", dizia, não era? Pois. Acho que deu para perceber.

2 comentários:

Nuno Santos Carneiro disse...

Para mim, é simples: enquanto levarmos com a senhora a promover os seus dotes culinários, com o riso despropositado que lhe assiste, na defesa dos aneis que a sua condição nobríssima lhe pôs nos dedos e com o vazio verborreico com que nos presenteia, não vale a pena ouvi-la, nem sobre feminismo(s) nem sobre coisa nehuma. A crença na mudança da mesma senhora é também nula, mas pode ser que seja atípica a sua mudança... Oh God, make me good, but not yet... :-)

LR disse...

Não conheço a senhora, mas 'aprecio-a' bastante por outros ditos. E, se calhar, até por este: não terá ela querido dizer "...feminista não sou atipica"?
É que, de outro modo, não se entende!?
De resto, só me ocorre que a solidariedade, um dos valores que mais prezo, marca a (in)diferença entre as mulheres. E bem o lamento.