quinta-feira, abril 2

ho(use) ho(me)

À falta de sofá, estende-se o chão para nos acolher. As prateleiras - olhos nos nossos olhos - reclamam atenção e vão ficando nuas, à velocidade da curiosidade das páginas que se abrem. É poesia, pois. E tu lês; e eu leio. -A voz cadenciada inaugura a casa. -O vinho como fechadura aberta. Nós entramos e a casa em nós; e a poesia em nós. A casa vive-nos.
(s)Enfim.

1 comentário:

Anónimo disse...

críptico. blog de inside trading. just that.ok.