terça-feira, julho 8

corpos plásticos

Espicaçada por um amigo (que não é deste blogue), lancei-me ao "manifiesto contra-sexual", de Beatriz Preciado. Desde então, tornou-se sombra [iluminação], pairando sobre--tudo à minha volta.

Na entrevista que mostra o vídeo, o entre-vista-dor diz, a certa altura, qualquer coisa como gostar das ideias que fazem ver as coisas de uma forma diferente. É nisso que Preciado é a-b-s-o-l-u-t-a-m-e-n-t-e viciante: rasteira o pensamento, fazendo-nos tropeçar no-nosso-mundinho-certinho-e-estavelzinho.

E é (também) por isso que a ela sempre volto.
E hei-de a ela (aqui) voltar.

Para já, a entrevista:

tve2

3 comentários:

LR disse...

pois... interessante e uma perspectiva... muito à frente.
dá que pensar:)

Nuno Santos Carneiro disse...

Eis a prova:
- de que vale a pena viciar uma enorme amiga em tempos de malogrados tabacos;
- de que um homem so é bom se for amigo suficientemente pós-feminista na lucidez da relevância do feminismo;
- de que a amiga merece tudo o que o amigo sente por ela.
:-)

cris disse...

mas q bem, q bem, q bem. estou embevecida. e pre-viciada. :)